quinta-feira, 13 de agosto de 2009

Elementar, meu caro Watson!


Como sabemos, a verdade é que Sherlock Holmes nunca disse tal. Encontramos, sim, na leitura das suas aventuras, expressões tais como: "Assim o espero, Watson, assim o espero." ou "Marque um ponto, Watson.", entre outras possíveis de citar.

O processo ou processos pelos quais acontecem imprecisões deste tipo, ou o modo como nos situamos enquanto leitores face ao imenso universo literário disponível; é esse mesmo o centro da análise e reflexão de Pierre Bayard. Professor de literatura e psicanalista, Bayard interroga-se sobre "como falar dos livros que não lemos". É neste contexto que podemos acompanhar uma conversa com ele, e também com Umberto Eco. Analisando o facto de, inúmeras vezes, certas afirmações (ou negações) serem incorrectamente atribuídas a diversos escritores, Eco (com muito sentido de humor) refere, entre outros exemplos, precisamente o caso de Sherlock Holmes e da célebre expressão "Elementar, meu caro Watson!".

Certo é ser impossível ler tudo. De acordo com Bayard, não devemos culpabilizar-nos por isso. Sinceramente, fico muito mais aliviada. Sei o quanto não vou conseguir ler, o quanto me falta ler, o quanto gostaria de ler que nunca concretizarei... Movemo-nos num universo literário que nos escapa. No entanto, ele é-nos familiar. Ainda que muitas vezes com imprecisões, passeamos por ele, quase sempre com muito prazer.


[por favor, desligue a música na barra lateral]


Imagem DAQUI

7 comentários:

RAA disse...

Como é que alguém que fala fluentemente inglês, como o faz Bayard, precisa de alguém que lhe traduza o que Eco e o entrevistador estão dizer -- em inglês?!...
Uma destas nunca tinha visto!

Lord of Erewhon disse...

Bem me parecia que aquilo trazia água no bico... ;)

Voltaste ao Baker Street! Ainda bem, é um belíssimo blogue!

Beijinhos!

Ana Paula disse...

É verdade, RAA. Boa observação :))

Também reparei, e achei caricato. Acho que ele, a dado momento, faz um gesto que leva a crer que a tradutora está é a incomodá-lo.

Enfim. Preciosismos.

Ana Paula disse...

Lord: gosto imenso da temática :)

E o Sherlock Holmes merece!

Obrigada pelas estimulantes palavras.

Lord of Erewhon disse...

Eu adoro o homem; sou um fanático do fantástico vitoriano, mas, como sou também apanhado por lógica, códigos, cifras alquímicas, etc, e adoro policiais...

Claro, que as histórias fantásticas dele também são muito boas; e com uma ironia que não se encontra, por exemplo, em H. G. Wells.

P. S. Avisei a canalha... LOL!

vbm disse...

Quando em novo, e depois já em menos novo, o li encantou-me o modo do seu raciocínio hipotético-dedutivo! :) Sempre senti, em todo o caso, que ali havia artifício de ficção. Que singularidades eram apostas no narrativa para justamente obter a solução pré-determinada... mas, gostava e gosto! :)) Lembrou-me sempre Platão, o qual ensinava que devíamos alcançar explicações para as situações dadas, mas, depois, esforçarmo-nos por imaginar um princípio geral do qual se pudessem deduzir as explicações encontradas :)) Giro, Platão e Sherlock Holmes.

lobices disse...

...excelente retorno